ÁGUA BOA

ENTENDA

Ômicron BA.4 e BA.5: há motivo para preocupação?

Duas novas subvariantes derivadas da ômicron estão causando novos surtos de covid-19 em todo o mundo

Publicados

Saúde

A BA.4 e BA.5 foram detectadas pela primeira vez na África do Sul e podem, em breve, se tornar as cepas dominantes na Europa e nos Estados Unidos, de acordo com especialistas em saúde.

No Brasil, o último boletim do Instituto Todos pela Saúde revela que essas variantes já são responsáveis por 44% dos casos prováveis de covid-19 nas últimas semanas.

Há menos de um mês, elas só apareciam em 10,4% das amostras analisadas.

“Em breve, a maioria dos casos de covid-19 no Brasil será causada por essas variantes”, projeta o relatório.

O que exatamente são as variantes BA.4 e BA.5?

Desde que surgiu, o coronavírus vem sofrendo mutações conforme se espalha pelo mundo. As novas versões que continuam a aparecer são chamadas de variantes.

Já existem algumas variantes importantes detectadas a partir do final de 2020, como alfa, beta, gama e delta, que causaram ondas massivas de novos casos.

As últimas a preocuparem os especialistas — a BA.4 e a BA.5 — estão intimamente relacionadas com a variante ômicron, que foi detectada no final de 2021.

Essas subvariantes que surgiram a partir da ômicron “original” foram adicionadas à lista de monitoramento da Organização Mundial da Saúde (OMS) em março deste ano e também acabaram designadas como variantes de preocupação na Europa.

Onde elas estão se espalhando?

A BA.4 e a BA.5 foram detectadas na África do Sul no início do ano e agora parecem estar circulando com mais velocidade em comparação com as demais variantes.

Elas já estão em circulação na maioria dos países europeus e logo serão as principais responsáveis pelos novos casos de covid. Isso, inclusive, já aconteceu em Portugal, onde a BA.5 se tornou dominante.

Leia Também:  97% dos pacientes em UTIs de MT não tomaram todas as doses da vacina contra a covid-19

Nos Estados Unidos, as autoridades apontam que também estão vendo um número crescente de infecções causadas por essas duas novas subvariantes.

Os casos de covid no Reino Unido já mostram os primeiros sinais de um possível aumento, impulsionado justamente por BA.4 e BA.5.

No Brasil, como citado no início da reportagem, essas subvariantes caminham a passos largos para virarem as mais comuns nos estudos que realizam a vigilância genômica.

Elas serão prejudiciais?

Os especialistas não têm certeza de qual será o impacto da BA.4 e da BA.5 ao longo dos próximos meses.

Pelo que se sabe até o momento, elas não são mais letais do que outras variantes.

Além disso, boa parte da população acumulou algum grau de imunidade por causa da vacinação e de infecções prévias, o que ajuda a tornar a covid menos grave de uma maneira geral.

Mas essas novas subvariantes parecem estar se espalhando mais facilmente.

Isso ocorre em parte porque a imunidade das pessoas pode estar diminuindo, mas também por causa das mutações que o vírus sofreu.

Muitos países suspenderam as restrições que marcaram os últimos dois anos, como o uso obrigatório de máscaras e a proibição de aglomerações, o que significa que as pessoas estão se misturando mais — o que dá ao vírus novas oportunidades para se espalhar.

A BA.4 e a BA.5 também parecem ser capazes de infectar mesmo aquelas pessoas que tiveram covid recentemente.

Todos esses fatores em conjunto aumentam o risco de uma nova onda de casos, que pode levar a um aumento de hospitalizações e mortes.

Leia Também:  Segunda-feira (04): Mato Grosso registra 771.458 casos e 15.017 óbitos por Covid-19

Como podemos nos proteger contra elas?

Assim como acontece com outras variantes do coronavírus, o risco de desenvolver complicações ou um quadro grave permanece mais alto entre pessoas idosas ou com condições de saúde que prejudicam o funcionamento do sistema imunológico.

Embora as vacinas atuais não sejam perfeitas, elas continuam a ser a melhor linha de defesa.

Foram os imunizantes que diminuíram significativamente o risco de covid grave diante de todas as principais variantes, incluindo alfa, beta, gama, delta e ômicron.

Os médicos reforçam que tomar as doses preconizadas continua a ser vital para reduzir o risco de hospitalização, intubação e morte.

Com que rapidez poderíamos desenvolver novas vacinas contra variantes?

Versões atualizadas de vacinas contra variantes da covid-19 estão sendo projetadas e testadas neste momento.

Os fabricantes também podem aumentar a produção de novas doses rapidamente.

Enquanto isso, as agências regulatórias estão discutindo como acelerar o processo de aprovação das versões atualizadas dos imunizantes específicos para as novas variantes.

Como surgem as variantes?

Durante o processo de infecção, os vírus fazem cópias de si mesmos.

Mas esse processo, que acontece de forma incessante, não é perfeito.

Algumas cópias apresentam erros, que alteram o material genético do vírus.

Isso, por sua vez, resulta em novas versões do patógeno.

Gráfico sobre o que são as variantes

Se essas alterações aleatórias trouxerem algum tipo de vantagem evolutiva ao vírus, essa nova versão vai prosperar.

Quanto mais chances o agente infeccioso tiver para fazer cópias de si mesmo em nós — os hospedeiros —, mais oportunidades existem para que ocorram mutações e apareçam novas variantes.

Fonte: BBC News

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Barra do Garças registra mais duas mortes da Covid; a pandemia já fez 407 vítimas no município

São 15.147 casos dos quais 14.066 se recuperaram

Publicados

em

A Secretaria de Saúde de Barra do Garças atualizou o boletim epidemiológico da Covid-19, nesta segunda-feira (4). Durante o final de semana foram confirmadas mais duas mortes em decorrência da doença e 76 novos casos de coronavírus. Ao todo, a cidade contabiliza 15.147 casos confirmados desde o início da pandemia, destes, 14.066 recuperados e 407 óbitos.

O município tem 674 casos ativos da doença, com 666 pessoas em isolamento domiciliar e oito que precisaram de algum tipo de internação. Entre casos suspeitos e confirmados na cidade, uma pessoa está internada em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Municipal Milton Morbeck e sete em enfermarias.

Em relação a pacientes de cidades que integram o consórcio de saúde intermunicipal, uma pessoa está internada em enfermaria da rede pública. Com o aumento de casos de Covid-19 nas últimas semanas, a prefeitura de Barra do Garças voltou a recomendar o uso de máscaras faciais em ambientes fechados como medida preventiva contra a doença.

O uso de máscaras dentro de ambientes hospitalares e para pessoas com sintomas de gripais continua obrigatório. O uso de máscaras também é recomendado nas redes de ensino particular e pública do município. A Secretaria Municipal de Saúde também designou a Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro São Benedito como centro de apoio à UPA para atendimento, consulta médica e testagem de pacientes com sintomas de Covid-19.

Leia Também:  Barra do Garças registra mais duas mortes da Covid; a pandemia já fez 407 vítimas no município

Vacinação

Até o momento, a Secretaria Municipal de Saúde já realizou a administração de 139.024 doses de vacinas contra a Covid-19 na população indígena e não-indígena de Barra do Garças, incluindo primeira e segunda dose, além das doses de reforço.

Fonte: Araguaia Notícia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA